quinta-feira, 15 de julho de 2010

A foto (última) da Natália e o Francês do meu 3º ano

A professora Júlia e o Mico
Que me desculpe a Natália, pela “desfiguração” da sua fotografia, que considero um documento único, aliás, mas a mesma tem duas pessoas que me fizeram recordar as minhas aulas de Francês do 3º ano.
Enquadremos a história: no 1º ano tive a Francês o P. Lamego, do qual aqui já se falou, nomeadamente por usar métodos demasiado antiquados, que impunha através de uma disciplina excessiva (se calhar ainda reminiscências dos seus tempos de seminário); no 2º ano o professor de Francês foi o Eng. António Ressurreição, sobre o qual não valerá a pena, neste texto, falar pois todos teremos ainda na memória muitas histórias a seu respeito; no 3º ano tive aulas, se a memória não me trai, na sala do 1º andar, em frente à sala de Professores e à sala/refeitório dos rapazes.
Ora bem, então vamos lá às memórias que a fotografia da Natália me avivou: a dita sala tinha uma janela quase em frente à casa do Engenheiro, à porta da qual o filho, ainda muito pequeno, costumava brincar algumas vezes. Nesse 3º ano tivemos a Francês uma professora, relativamente nova que usava umas mini-saias muito de acordo com a época… Ora a dita professora vivia, ou pelo menos almoçava, na casa do engenheiro e gostava muito de brincar com o filho dele…
Nós estávamos na aula de Francês, o catraio vinha para a rua brincar, a professora ia para a janela dizer-lhe umas gracinhas, apoiava os cotovelos no peitoril, debruçava-se um pouco e, … claro, os olhos dos rapazes da turma eram, como que de imediato, atraídos por uma enorme força magnética que irradiava desta cena ternurenta, ... ficando a pedir aos céus para que continuasse por mais algum tempo.
Já havia até quem dissesse que alguns rapazes da turma iam prometer, e oferecer, goluseimas ao pequeno António para vir brincar para a rua sempre que íamos ter aulas de Francês. Não era por nada, era apenas porque achavam que a dita professora tinha dotes … (de educadora de infância), e gostavam que ela os mostrasse… apenas isso, creio eu!…
Na foto destaquei aqueles que acho serem os dois protagonistas desta história, ou, se o não forem, pelo menos fizeram-me reavivá-la…

4 comentários:

Luísa Antunes disse...

Era a Drª Júlia (espero que a memória me não atraiçoe)... Acho que era do Couço e era realmente muito jovem, leve, fresca e de gargalhada fácil... Na altura, já estávamos no Colégio de Penamacor, os deste concelho, mas parece-me que a "sedução" que os rapazes sentiam por ela não tinha fronteiras concelhias... as meninas era mais para o professor de Inglês, o Dr. José Rafael, marido da professora de Ciências, com as suas calças à boca de sino e muito "fashion" para a época...
Belo tratamento da foto, oh João! (mas lembro-me que a sedução dos rapazes não era pela cara, hein?!...). Gostei de saber que era a sua boa relação com o Mico que tanto prazer dava aos rapazes (se lá estivesse o Padre Lamego, ai!, ai!...)

Honorato disse...

Pois o Mico deu-nos o prazer de estar connosco no nosso último encontro em Penha Garcia. Esteve com a esposa e os seus 3 filhos. Todos uma simpatia com um destaque especial para a mais pequenina, a Margarida. Infelizmente, a professora não esteve lá. Que eu saiba.

António Serrano disse...

Dotes de... educadora de infância! Boa!!!

Prohensa, j. adolfo disse...

Como os comentários anteriores fizeram saltar outras cerejas do cesto (como diz a Luísa), decidi publicar um novo "post", dedicado à Professora de Francês do meu 3.º ano, a Dr,ª Júlia.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...